top of page
Buscar
  • Foto do escritorCaroline A. Pinheiro da Costa

Minha primeira autobiografia decolonial

Meus avós trabalharam como mineiros cavando caminhos subterrâneos em minas de carvão durante sua vida adulta. Ao mesmo tempo, minhas avós trabalhavam como faxineiras e cozinheiras de famílias de classe alta no território indígena Guarani roubado e - ainda não cedido (atualmente também conhecido pelo nome de aldeia colonial-colonizadora de Arroio dos Ratos, bem no interior da América do Sul) . Enquanto jovens adultos durante a revolução industrial, meus pais continuaram o caminho como trabalhadores de serviços: minha mãe no sistema de saúde e meu pai como carpinteiro e eletricista. Investigando minha história familiar por pelo menos quatro gerações, posso traçar o padrão de más condições de trabalho, pagamento insuficiente e status de classe baixa em minha linhagem familiar. Meu estilo de vida atual interrompeu o ritmo de trabalho em um trabalho fisicamente exigente e mal pago como uma colona branca vivendo como jornalista, instrutora de ioga e escritora no extremo norte do mesmo continente que meus ancestrais.


Criada na onda da globalização, da internet e do hedonismo, ouvi as exaustivas histórias de trabalho dos meus pais e observei seus corpos exaustos todos os dias enquanto vivenciei minha infância em um ambiente de classe baixa, sabendo que "aqueles de nós marginalizados por formas dominantes de saber são muito claros sobre a forma e a textura do poder" (Lind 372). Através da trama do tempo e da possibilidade de sentar em roda com professores que me ensinaram a transgredir, fui decodificando as normas sociais, aprendendo e analisando como navegar nesse sistema de opressão colonial, patriarcal, imperial e racista que marginalizou meus ancestrais na esperança de que minha vida profissional apresentasse a possibilidade de outro resultado para minha encarnação como adulta durante esta vida.


Enquanto convido constantemente meu presente e meu futuro a uma relação respeitosa com a Terra e seus seres, "enquanto escrevo, estou localizado em terras que os povos indígenas ocuparam e percorreram desde tempos imemoriais e que continuam ocupando e percorrendo agora com povos de muitas outras nações" (Haig-Brown 4). O território onde sou abençoada por experimentar a melhor qualidade de vida dentro de toda a minha linhagem é o tm̓xʷúlaʔxʷ (terra na língua Syilx) roubado e não concedido do povo Syilx / Okanagan (o nome contemporâneo da cidade deste território que vivo é uma palavra Syilx para urso pardo: Kelowna).


Aprendendo ciências geográficas na minha infância, fui apresentada à perspectiva dos colonos brancos do continente americano. Aprendi na escola que nasci no Brasil e, até recentemente, desejava e alcançava o objetivo de experimentar a vida em países de 'primeiro mundo' e 'desenvolvidos', como o Canadá. No entanto, como o Dr. Himani Bannerji expressa perfeitamente em Geography Lessons: Por ser um Insider/outsider para a Nação Canadense, o "Canadá" era um espaço mental e não histórico. Foi uma construção idílica de natureza e aventura" (Bannerji 63). Envolvida no sonho do colono branco de alcançar o sucesso financeiro como imigrante em um país de primeiro mundo, não pude observar que venho perpetuando o mesmo sistema de opressão que eu estou tentando escapar, mesmo inconscientemente, desejando ocupar a posição de poder do opressor.


Andando de bicicleta pela cidade construída em território indígena roubado e ainda não cedido, meu corpo se mistura à norma do colono branco. No entanto, nas circunstâncias diárias de me envolver em conversas pessoais, sou constantemente informada sobre como as pessoas reagem ao meu sotaque e erros gramaticais de que sou na verdade uma mulher latina. Portanto, meu gênero e etnia estão contribuindo para determinar minha identidade como membro de uma minoria cultural neste contexto multicultural. Como o Dr. Lind explica em Materializing the Decolonising Autobiography, "branquitude, para ser clara, significa coisas diferentes em contextos diferentes". (Lind 377) Na cidade construída em território Guarani roubado e ainda não semeado onde nasci, por exemplo, eu era uma mulher branca de classe baixa. Meus códigos dominados pela passagem branca contribuíram fortemente para navegar nos lugares, pois os contextos sociais aos quais a classe que eu usava não necessariamente permitiam que eu fosse visto. No entanto, no território 'Canadense', receber por outros o rótulo de identidade étnica de latina me convidou a rever meu senso de identidade. Compreendendo que "estamos cobertos de rótulos que nos dão identidades que nos são estranhas. E esses rótulos se originam na ideologia da nação" (Bannerji 65), posso ver que meu 'Canadá' imaginado foi construído sobre a ideia de uma nação acolhedora e educada está me dando ferramentas para questionar minha norma branca e como a interseção com classe, raça e gênero pode me colocar em enredamentos interessantes recebendo ou perpetuando poder sistêmico, privilégio e discriminação.


Quando o Dr. Lind explica que "o conceito de deserto, e em particular um deserto que se transforma em terras agrícolas, é uma metáfora-chave na construção da branquitude canadense" (Lind 378), vejo o espelho da mesma estrutura colono-colonial por trás do plano de ocupação de Pindorama (terra em língua guarani) pelos portugueses desde 1500. A migração em massa de trabalhadores brancos (muitas vezes camponeses e pobres) recebendo dos reinos europeus "a possibilidade de mobilidade ascendente por causa de sua raça" (Noble 90 ) aconteceu do topo norte ao extremo sul do continente, deixando para trás mais de quinhentos anos de um sistema de opressão que agora rege as camadas de desigualdade em nossas nações idealizadas de colonizadores brancos.

"Os imigrantes para a América Latina vinham de países retardatários à emigração da Europa e eram em vários aspectos diferentes daqueles que cruzaram o Atlântico nas fases iniciais do movimento. Não eram, porém, diferentes daqueles europeus que optaram pelos Estados Unidos em no mesmo período. No geral, o consenso é que a América Latina recebeu imigrantes mais pobres e potencialmente menos produtivos do que os Estados Unidos simplesmente porque o fluxo dominante que emigrou da Europa entre 1880-1914 veio das áreas economicamente atrasadas do sul e leste da Europa." (Sánchez-Alonso 11)

Ignorar e negar a presença indígena nos territórios, seguida pela contínua escravização de negros e indígenas e pela migração em massa de europeus de classe baixa para iniciar colônias de colonização, é a tapeçaria colonial na qual observo que meu passado foi tecido. Consciente de que tenho ascendência europeia branca ibérica e indígena Pindorama, sou convidada para esta autobiografia descolonizadora com uma quantidade excruciante de desconforto em torno da branquitude dentro de mim. Uma vez que "a branquitude é também um produto complexo construído de relações locais, regionais, nacionais e globais, passadas e presentes, que estão ligadas a relações de dominação" (Noble 92), eu me vi puxando os fios da minha vida e observando o atrito entre a colonizadora dentro de mim que por muito tempo ignorou meu próprio desconforto com a injustiça desse sistema de opressão e o cansaço de continuar 'tendo sucesso profissionalmente' nesse contexto branco e colonizador.


Identificar minha história de vida como atrelada a um processo branco-colonial me causa náuseas contínuas, considerando que, embora eu tenha uma ancestralidade indígena e pobre identificável tecida em meu passado tecido, "a materialidade do meu corpo está, sem dúvida, engajada nesse projeto classista e racializado de respeitabilidade" (Lind 374). Ao investigar minha ascendência européia, não consigo rastrear os territórios de onde eles vieram, apenas sabendo que todos os meus sobrenomes estão de alguma forma conectados a tribos e aldeias e nuances incrivelmente complexas que remontam ao território celtibérico. Se "para herdar a riqueza como resultado da apropriação de terras coloniais" (Lind 382), eu me pergunto - e frequentemente devaneio - se minha ascendência camponesa viveu um estilo de vida pagão. De acordo com a Dra. Anna Fedele, "os pagãos querem criar comunidades não hierárquicas e com igualdade de gênero, baseadas em um profundo respeito pela natureza e pelas crenças e escolhas uns dos outros" (Fedele 241). Como um movimento pré-cristão, imagino um ancestral branco meu que, como o que estou fazendo agora, questionou a premissa violenta da cultura do colono conquistando uma "terra prometida".


Em seu livro Sons of the Movement: FtMs Risking Incoherence on a Post-Queer Cultural Landscape, Dr. Jean Bobby Noble explica a diferença entre se tornar branco e saber que alguém é branco. "Saber que alguém é branco significa entender a si mesmo como um produto da supremacia branca ou racismo sistêmico que é maior do que um indivíduo e que também precede nossa entrada no domínio público" (Noble 93). Reconhecendo meus desejos e sonhos realizados como produto do sonho do cidadão ideal do colono, me pergunto quais privilégios e sistemas de opressão posso pausar, questionar e descolonizar dentro de minha existência neste momento. Olhando atentamente para minha identidade, como diz a professora Dra. Emma Lind, também estou "acostumada a observar antirracistas brancos articulados, bem lidos e reflexivos se atrapalhando com a língua presa toda vez que o tópico de raça surgia" (Lind 373 ), incluso a mim. Como consequência do convite para construir uma autobiografia descolonizadora, observo a abertura de estudar os desdobramentos de fios mais gentis e respeitosos para o meu futuro pessoal e nosso futuro coletivo cocriado na Terra.





Escritas citadas:


Alonso, Blanca Sánchez. "The other Europeans: immigration into Latin America and the

international labour market (1870–1930)." Revista de Historia Economica-Journal of

Iberian and Latin American Economic History 25.3 (2007): 395-426.


Bannerji, Himani. The dark side of the nation: Essays on multiculturalism, nationalism and

gender. Canadian Scholars’ Press, 2000.


Emily R.M. Lind (2021) Materialising the Decolonising Autobiography, Life Writing, 18:3,

371-383, DOI: 10.1080/14484528.2021.1930495


Fedele, Anna. "Iberian paganism: Goddess spirituality in Spain and Portugal and the quest for

authenticity." Contemporary pagan and native faith movements in Europe (2015):

239-260.


Haig-Brown, Celia. "Decolonizing Diaspora: Whose Traditonal Land are We On?."

Decolonizing philosophies of education. Brill, 2012. 73-90.


Noble, B. "Songs of the Movement: FtMs Risking Incoherence on a Post-Queer Cultural

Landscape (Toronto: Women’s Press), 19." (2006).


0 visualização0 comentário

Comments


bottom of page