top of page
Buscar
  • Foto do escritorCaroline A. Pinheiro da Costa

Força vital e sacrifício

Esta manhã eu estava lendo o capítulo 1 de Consumo e Vida Cotidiana, escrito por Mark Paterson e quero trazer à tona algo que me veio à mente enquanto pensava sobre consumismo, commodities e o valor de nossa força de trabalho.


Paterson revisita na página 21 a idéia de que existe uma conexão entre o para da vida e o consumo. Ele explica isso através do exemplo da moda e do corpo que adorna seu corpo para descrever sua identidade. Eu me sinto comprometida com esta ideia e posso convidar também a perspectiva de que trocar coisas valiosas para adornar o corpo não é apenas um produto de uma sociedade capitalista. Antes da constituição do dinheiro como a forma como o conhecemos no mundo ocidental, várias outras coisas eram usadas e um valor de troca a fim de usar algo que descreverá sua identidade atual.


Digamos, por exemplo, grandes xamãs maias que costumavam dar milhares de sementes de cacau ao espírito da serpente emplumada, Kukulkan, para que eles usassem roupas e coroas específicas. O ato de sacrifício que é valioso para você e seu povo é seu valor de troca. Pode ser dinheiro, tempo, trabalho, comida, serviço... o que você dá lhe dará algo em troca. Isto é independente se estiver em uma loja da cidade ou em um antigo ritual que envolva sua espiritualidade.


Estar consciente daquilo com que você se identifica é outra coisa. É também outro grande tópico para pensar sobre o que você está oferecendo - dinheiro, força de trabalho, conhecimento - para receber o que em troca. O que você está sacrificando para receber algo que traduza sua identidade? Por que você sacrifica o que é valioso para si mesmo por algo mais?


Eu sacrifico meu corpo com trabalho mental e corporal, e uso o que é mais valioso para mim - meu tempo - para usar/comer/viver dentro de uma espiritualidade nativa decolonial. Meus deuses não são as marcas, são a forma como a corrente corre atrás deles. A compreensão do sacrifício é intrínseca para descobrir como você quer fazer escolhas dentro da realidade.




0 visualização0 comentário

Comentarios


bottom of page